História da Língua Chinesa I – Carapaças de Tartarugas

extraído do Informativo Trimestral do EQUILIBRIUS – nº 8
Publicado originalmente em:
http://www.taichichuan.com.br/informativo_taichichuan.php

 

Você já pensou em escrever em uma carapaça de tartaruga ou em ossos de animais?

Uma pergunta como esta pode parecer muito estranha em nosso contexto atual, mas há mais de 4000 anos, foi assim que começou a representação escrita da “língua chinesa”.

Entre aspas, porque naquele momento ainda não era assim chamada; nem mesmo o país conhecido como China existia formalmente como o entendemos hoje.  Historicamente falando, os registros arqueológicos mais antigos de uma escrita chinesa sistematizada remontam ao período da Dinastia Shang (1751 a 1066 a.C.) e são conhecidos
como Jiaguwen.

Jia significa concha – neste caso referindo-se à carapaça da tartaruga; Gu significa osso, e Wen se refere à escrita. Mas, sabe-se que a escrita chinesa sistematizada já existia desde a Dinastia Xia (séc. XXI a XXVI a.C).

Naquele período, os caracteres eram gravados em ossos de bois ou carapaças de tartarugas usando instrumentos cortantes, algo como um entalhamento, ou podiam também ser escritos com tinta preta ou vermelha. As representações deste momento são chamadas de pictogramas (ou signos pictográficos), que são basicamente a busca da representação iconográfica de objetos concretos, preferencialmente de fácil identificação, em teoria.
Mas, ao longo do tempo,  descobriram que poderiam representar algo mais complexo; através da combinação de pictogramas, poderia-se criar novas idéias, representações ou significados, criando-se assim os ideogramas, que
representam idéias, não mais apenas uma representação iconográfica, um desenho.

Por exemplo, posso desenhar uma árvore, mas como faço para representar um bosque?  Desenho duas árvores), mostrando-se a junção de árvores. E como faço para representar uma floresta? Desenho 3 árvores, mostrando-se a junção de árvores em uma quantidade ainda maior.

É interessante citar que foram registrados mais de 5 mil caracteres diferentes de Jiaguwen, mas em consequência  a dificuldade de se decifrar e dos registros históricos escassos, menos de dois mil foram reconhecidos. Talvez no futuro com novas descobertas arqueológicas, o entendimento possa ser maior.

Um outro dado muito interessante a respeito dos Jiaguwen é que os ossos e carapaças eram queimados para usos de advinhação, ou seja – os escritos também são registros de sessões oraculares, feitas da observação da queima dos ossos e carapaças e das rachaduras resultantes das queimas, com o intuito de fazer previsões das colheitas, previsão do tempo, guerra e assuntos políticos e outros.

No próximo artigo estudaremos sobre o período posterior à Dinastia Shang e sobre os Jinwen, as escritas nos objetos de metal.
Bom estudo!

Faça o download do Informativo número 8 completo aqui: http://www.taichichuan.com.br/arqdoc/informativo_08.pdf

Compartilhar

Os Cinco Caracteres Secretos do Tai Chi Chuan

Trecho extraído do livro:  “TAI CHI CHUAN – Saúde e Equilíbrio” – 3ª edição, 2017
Publicado originalmente em:
www.segredodosmestres.com.br/single-post/2018/06/11/Os-Cinco-Caracteres-Secretos-do-Tai-Chi-Chuan

(…) Os Cinco Caracteres Secretos

Os Cinco Caracteres Secretos do Tai Chi Chuan foram elaborados por Li Yi Yu (李亦畬, 1832-1892), sobrinho e melhor estudante de Wu Yu Xiang (武禹襄, 1813-1880), criador do estilo Wu/Hao de Tai Chi Chuan. O Mestre Li Yi Yu foi professor de Hao Wei Zhen (郝为真, 1849-1920) que ensinou o Tai Chi Chuan para Sun Lutang (孫祿堂 , 1861-1933), criador do estilo Sun de Tai Chi Chuan.

Os Cinco Caracteres Secretos mostram como o desenvolvimento interior pode ser alcançado no Tai Chi Chuan. É importante compreendermos o que eles significam, para obtermos resultados melhores e mais eficientes na prática do Tai Chi Chuan.

1 – Calma: nossa mente deve estar sempre calma, para que possamos controlar todos os movimentos com consciência, mantendo a postura correta. Sem a calma do espírito, não há concentração e a execução do menor movimento para qualquer direção será desordenada. É necessário ter o espírito calmo. Temos de aprender, com todo o nosso ser, a conhecer e seguir os movimentos do oponente. Se o oponente empregar força, devemos imitá-lo, nos antecipando a ele; se ele não a empregar, não a empreguemos tampouco, mas o nosso pensamento há de sempre antecipar-se ao dele. Não devemos perder o contato, resistir, avançar ou retroceder por nós mesmos, apenas perceber e seguir o movimento do outro. O espírito deve estar a todo instante atento e aplicado ao ponto de onde vem a força. Com o tempo, disso resultará o controle dos outros por nós e não a nossa submissão ao controle dos outros. Isso significa usar a mente e não a força.

2 – Agilidade: todos os movimentos devem ser coordenados corretamente, aplicando o princípio do cheio (Yang) e vazio (Yin), expansão e recolhimento, avanço e recuo. Dessa forma, teremos agilidade nos movimentos colocando a energia correta. Se nos empurram pelo lado esquerdo, esvaziamos o lado esquerdo. Se nos empurram pelo lado direito, esvaziamos o lado direito. Todas as partes do corpo devem estar coordenadas. A energia Chi é como uma roda, todo o corpo precisa estar coordenado. Se há alguma parte que não está coordenada, então, o corpo estará disperso e desestruturado e não poderá acumular potência. Se seguir sua própria vontade, ficará bloqueado. Se seguir seu oponente, se sentirá vivo e então suas mãos poderão distinguir e ponderar exatamente a quantidade de força dele e medir a distância de sua proximidade sem cometer erros. Quanto mais nos exercitarmos e praticarmos com atenção nos princípios, mais perto chegaremos da perfeição.

3 – Respiração: a respiração deve ser correta, sendo a inspiração e a expiração constantes, para que a energia Chi flua e possa ser acumulada. Quando o Chi está disperso, ele não é acumulado e nossos movimentos e o corpo serão desestruturados. Para condensar o Chi nos ossos, a expiração e a inspiração devem fluir suavemente. Na inspiração há fechamento e acúmulo e na expiração há abertura e emissão. A inspiração eleva o Chi de forma natural e pode erguer e desenraizar o oponente. A expiração abaixa o Chi de forma natural e pode derrubar o oponente. Isso é usar a Mente (Yi) e não a força (Li), mobilizando a respiração.

4 – Força Interna: É necessário exercitar para que a energia do corpo inteiro forme um todo, distinguindo claramente o cheio do vazio. Para emitir a energia é preciso conhecer a fonte: a energia tem sua raiz nos pés, sobe pelas pernas, é controlada pela cintura, é emitida desde a espinha dorsal e se expressa nas mãos. É preciso elevar o espírito completamente, prestando atenção ao momento, nem antes nem depois, em que a energia do oponente está prestes a se manifestar, mas ainda não foi liberada. É nesse momento que nossa força já entrou na dele, como o jorro de uma fonte. Dessa maneira, avançamos e recuamos sem a menor desordem. Busquemos a linha reta na curva e acumulemos a energia antes de emiti-la, obtendo o resultado almejado. É o que chamamos de utilizar a força do outro para combatê-lo ou usar alguns gramas para desviar mil quilos.

5 – Concentração do Espírito: Somente depois de haver realizado as quatro condições anteriores podemos concentrar o Espírito (Shen). Quando se concentra o Espírito (Consciência), o Chi desenvolve-se em Shen, o vigor se eleva e se movimenta, a força vital enche regularmente o corpo, a abertura e o fechamento se alternam, e o cheio e o vazio se distinguem com clareza. Se a esquerda estiver vazia, a direita estará cheia, e vice-versa. Quando falamos em vazio, não queremos dizer ausência total de força, pois a manifestação do Chi precisa ser ágil. A força muscular é tomada de empréstimo do oponente. Emite-se o Chi a partir do eixo espinhal. Como emitir o Chi do eixo espinhal? Fazendo-o descer a partir dos ombros, condensando nos ossos da espinha e fixando-o na cintura, no Tan Tien Inferior. Quando o Chi se desloca de cima para baixo, falamos de fechamento. Quando, desde a cintura, se manifesta na espinha, é conduzido através dos ombros e se expressa nos dedos das mãos, essa circulação de baixo para cima, falamos em abertura. Fechar é acumular e abrir é liberar. Quem compreende o que são a abertura e o fechamento conhece o Yin e o Yang. Chegado a esse estágio, o trabalho melhora e se afina dia após dia, até podermos agir progressivamente de acordo com os nossos desejos.

*Prof. Fernando De Lazzari – Yang Yaxin

• Diretor do EQUILIBRIUS – Centro de Tai Chi Chuan, Acupuntura e Cultura Oriental • Diretor do Yang Chengfu Tai Chi Chuan Center – Brasil em Ribeirão Preto-SP • Discípulo direto do Mestre Yang Jun • Representante do Tai Chi Chuan da Família Yang • Vice-Diretor do Departamento de Ranking da International Yang Family Tai Chi Chuan Association • Membro do Comitê de Instrutores da International Yang Family Tai Chi Chuan Association • Professor de Tai Chi Chuan, Chi Kung, Meditação e Cultura Chinesa

Compartilhar

Tai chi chuan é destacada por Harvard como atividade física ideal para idosos

A prática incorpora movimentos lentos e relaxantes, que promovem uma maior percepção da respiração, da mente e do corpo

Publicado originalmente em:https://gauchazh.clicrbs.com.br/saude/vida/noticia/2014/02/tai-chi-chuan-e-destacada…
Prof. Castro Júnior ensinando na China com Mestre Song Bin

Prof. Castro Júnior ensinando na China com Mestre Song Bin

Em lista divulgada no início do ano pela Harvard Medical School, com as cinco melhores atividades físicas para todas as faixas etárias, uma em especial é destacada pela famosa universidade americana quando o assunto é benefícios para a terceira idade: o tai chi chuan. Considerada uma das mais importantes artes marciais chinesas, a prática incorpora movimentos lentos e relaxantes, que promovem uma maior percepção da respiração, da mente e do corpo. Não à toa, profissionais chamam o tai chi chuan de “meditação em movimento”.

– É uma arte que trabalha com o sentir, não com o reagir – explica o professor Sérgio Queiróz, que coordena a Escola de Artes Marciais Chinesas de Porto Alegre.

Por mesclar os exercícios do corpo com os da mente – e oferecer resultados surpreendentes aos praticantes – o tai chi chuan começou a despertar o interesse de estudiosos em diferentes áreas. Atualmente, um núcleo de pesquisa em Harvard se dedica exclusivamente a avaliar os benefícios da prática. Entre os resultados, concluiu que a prática ajuda a manter a densidade óssea, reduz dores decorrentes da artrite, promove a saúde do coração, reduz a hipertensão e, consequentemente, melhora a qualidade de vida.

Para o público de terceira idade, as vantagens são maiores ainda. De acordo com o médico do esporte Fábio S. Cardoso, dos exercícios de equilíbrio, o tai chi chuan provou ser o de maior sucesso na redução de quedas, que se tornam mais frequentes à medida que a idade avança. Além disso, sua prática é benéfica para dar força, resistência muscular e flexibilidade. Continue a ler

Compartilhar

O que é Tai Chi Chuan?

Gran Mestre Yang Zhen Duo (de Branco) e Mestre Yang Jun

Gran Mestre Yang Zhen Duo (de Branco) e Mestre Yang Jun

O que é Tai Chi Chuan? Você já ouviu falar muito disso e do quanto é benéfico para a mente e para o corpo, mas não sabe exatamente do que se trata? Veja: Da Associação Internacional de Tai Chi Chuan: “O Tai Chi Chuan (taijiquan) é uma arte marcial chinesa. É uma das artes marciais internas, assim como o Xingyiquan e o Baguazhang. O método da prática do Tai Chi Chuan é: relaxar (song) na suavidade, unificar a suavidade para tornar-se duro, a força e a suavidade se apoiam. O Tai Chi Chuan enfatiza como confrontar seu inimigo: “Ele não se move; eu não me movo, ele começa a se mexer, eu já me movi, eu começo mais tarde e controlo primeiro”. Tai Chi Chuan é aderir e grudar, conectar e seguir, não separar e não resisitir, dobrar-se para estar ereto, relaxado e estendido, internamente e externamente consistente, use a quietude para controlar o movimento, use a suavidade para controlar a força.”  Segue outros trechos do artigo da Associação Internacional de Tai Chi Chuan da Família Yang, para que você saiba melhor o que é o Tai Chi Chuan e seus benefícios: Continue a ler

Compartilhar

Tai Chi Chuan e Respiração

Trevor Drinen – Breath Art in Fractal Enlightment www.fractalenlightenment.com

O controle da respiração é um elemento essencial no Tai Chi Chuan. A respiração abdominal é a principal no Tai Chi Chuan e em várias outras artes orientais. Quando os Mestres afirmam que voltam à infância, isto não é apenas uma fantasia poética. Quando praticamos a respiração abdominal não só respiramos da maneira que costumávamos fazer quando éramos crianças, mas também nossas funções são renovadas.

Os Mestres se referem à respiração abdominal como natural e à respiração torácica como inversa. A respiração abdominal é ensinada pela natureza e a torácica é aprendida pelo homem. Isto pode ser verificado facilmente se compararmos a respiração de bebês com a dos adultos. Os bebês respiram com o diafragma, um grande músculo que divide a cavidade peitoral do abdômen. Quando o diafragma sobe e desce numa respiração plena, todos os órgãos internos são massageados e irrigados com o sangue mais oxigenado. Continue a ler

Compartilhar

Posição de árvore – Zhan Zhuang 

“Meditação em pé é a prática de Zhan Zhuang. Traduzindo diretamente, Zhan significa estar em pé e zhuang significa poste, ou ficar em pé como um poste. É assim chamada porque você fica parado e não se move. É utilizada comumente no Chi Kung para acalmar a mente. Nós utilizamos este método como treinamento fundamental quando praticamos artes marciais.

Zhan Zhuang é o exercício estático perfeito. Manter esta postura irá naturalmente fortalecer as pernas e ajudar a criar uma raiz estável. Acalma a respiração e ajuda a desenvolver o seu chi. Nutrir a sua respiração fortalecerá sua energia interna. Quando sua respiração é unificada com sua energia interna, seu corpo externo se torna forte. Continue a ler

Compartilhar

Tai Chi Chuan e Meditação

Lançamento do livro Meditação, do Prof. De Lazzari

Prof. Fernando De Lazzari
EQUILIBRIUS – Centro de Tai Chi Chuan, Acupuntura e Cultura Oriental

 

Atualmente, a meditação não é mais um mero ritual religioso. Sua prática milenar tem sido usada por hospitais mundo afora para tratar males como a hipertensão arterial, a gastrite, a insônia e outros. Inúmeras pesquisas já demonstraram que meditar diminui os níveis dos hormônios liberados em situações muito tensas, como a adrenalina e o cortisol, que são capazes de enfraquecer as defesas do organismo quando produzidos em excesso. Ao mesmo tempo, essa técnica oriental estimula a fabricação da endorfina, o nosso tranqüilizante natural. Continue a ler

Compartilhar

A Arte Marcial Mais Popular do Mundo

Por Mestre Yang Jun
5ª Geração da Família Yang de Tai Chi Chuan

 


Publicado originalmente em http://www.aartedenutriravida.com/p/a-arte-marcial-mais-popular-do-mundo.html

A arte marcial mais popular do mundo

Muitos americanos se surpreendem quando descobrem que o Tai Chi é uma Arte Marcial. Na cultura pop ocidental, o Tai Chi é colocado junto com o Yoga como um exercício para a redução do stress, e bom para a prevenção de quedas na terceira idade. Mas qualquer artista marcial sabe mais do que isto. No nome completo do Tai Chi Chuan(ou no Mandarim Taijiquan 太极拳), o Chuan (ou Quan) significa “punho”. É um sufixo comum usado nas Artes Marciais. Continue a ler

Compartilhar